domingo, 21 de fevereiro de 2010

o segredo de um bom descafeínado

existem regras simples que vocês- clientes, podem seguir para se tornarem numa pessoa importante para nós- empregados de mesa. que benefícios é que isso vos vai trazer? muito poucos. mas mais vale ser importante do que ser apenas mais um. no meu caso clientes importantes têm sempre vantagens: quando me pedem uma sobremesa que está no limite dos seus dias aviso-os discretamente que se calhar apetece-lhes outra; reservo-lhes sempre a melhor mesa, mesmo quando já estão todas reservadas e quando me pedem um descafeínado chego mesmo a limpar o manípulo e a tirar os restos de cafeína que estão para lá. e se isto não chega para vos convencer então não sei.
o que nós valorizamos num cliente não é só, ao contrário do que possa pensar, as boas gorjetas que eles nos deixam. boas, repito. mas no que toca a gorjetas é muito fácil convencer-nos. ora então cá vai.
lição número um: de vez em quando deixe uma notinha de 5. pode não deixar gorjeta durante um mês seguido, mas se depois deixar uma notinha já nos tem no papo. 5 euros em moedas não passa. tem de ser a notinha.
lição número dois: quando estivermos a entregar-lhe o seu prato desvie-se. não precisa de agradecer, basta que tire os cotovelos da mesa ou se incline para trás. muito obrigado. tentar enfiar pratos quentes entre cotovelos preguiçosos é muito tetris para mim. e irrita.
lição número três: peça tudo de uma vez. traga-me um café. cá está. agora traga-me a conta. cá está. agora o multibanco. cá está. isto seria bom, mas só se eu ganhasse ao quilómetro. portanto tente lá outra vez. olhe traga-me um café e a conta, vou pagar com multibanco. e sou eu que agradeço.
lição número quatro: se fizer uma reserva apareça a horas. se não tiver feito não refile muito com a mesa que lhe conseguimos arranjar. se entrar num restaurante que está quase vazio não queira sentar-se na única mesa que está suja. se faltarem 10 minutos para fechar, não entre sequer. um cliente a 10 minutos do fim é como estar quase lá e depois não conseguir. e isso irrita, já se sabe.
lição número cinco: pergunte-nos o nome. pode-nos continuar a chamar metendo o dedinho no ar, mas não deixa de ser simpático.
e que tal, não parece difícil, pois não? e vai ver que para a próxima o arroz doce já não vai estar tão duro.

34 comentários:

Angelo disse...

Já faço muitas destas coisas. Por isso sou um óptimo cliente. Mas vou começar a perguntar o nome!

Mais um óptimo texto!

Rafael disse...

Brutal Vera!
Claro q tenho q concordar com tudo q tens no teu blog neh?! Pq afinal tbm sou um empregado de mesa...e tens toda a razao! Fixe,Parabens!!!

mãe pimpolha disse...

Eu então sou muito boa cliente, mas admito que não pergunto o nome.
Olha a piadinha seca: O que é um café à sporting? Fraco, muito fraquinho. Ahahhaha, não teve piada, pois não? Eu sei, sou uma vergonha.
Beijocas

CR 35 disse...

Concordo ! e até aceito algumas dicas ,Algumas... porque nem todas estão correctas, e dependem simplesmente da formação e educação do cliente que pode não ser a mais adequada para o lugar que escolheu para degustar as mais variadas iguarias que os colaboradores obrigatoriamente devem ostentar o seu nome num pequeno crachá para que possa deixar uma boa gorgeta que depende do profissional que o atendeu com um sorriso e um pouco de brejeirice terminem a refeição com um :pssht..ó menina um café curto e a conta por favor.

Balbino disse...

Categoria! =D

Carlos Vilafanha disse...

Já trabalhei nesse ramo durante muitos anos, mas por questões de saúde não aguentei, Realmente tudo o que tenho lido por aqui, também se passava no meu local de trabalho. O que mais me chateava era quando alguém entrava na pastelaria, onde existiam oito mesas, e tinha o dom de se sentar na úncia que estava suja; ou então aqueles que tinham a mania da superioridade e que nos tratavam como se fossemos inferiores.
Blog muito bom.
http://toxicidades.blogspot.com

CrocDundee disse...

Sim e não esquecer a cara feia de alguns empregados, e os maus modos de como nos atendem...
E já agora. Gorjetas porquê? Eu não recebo a mais por fazer o que faço...
Enfim...opiniões

esquilinho disse...

Ui! Esses que se sentam na única mesa suja quando há 10 vazias e limpas... Quando trabalhava no snack bar dos meus pais era das coisas que mais me irritavam.

esquilinho disse...

CrocDundee, claro que podes não deixar gorjeta, estás no teu direito. Mas não te esqueças que em Portugal, ao contrário, por exemplo, da Noruega, a generalidade dos empregados de mesa (não todos, claro) ganham uma miséria, e as gorjetas ajudam a equilibrar o orçamento ao fim do mês.
Mas claro que podes dizer que não tens culpa disso e que os patrões é que deviam pagar mais :)

Rui Lourenço Pereira disse...

Esquilinho,
Ganhar uma miséria?!?!?! Em Portugal o ordenado médio ronda os € 800. Isto não é uma miséria? E será que todos recebem gorjeta?
E dos empregados de mesa quantos têm formação para o ser? E será que se o patrão oferecer essa formação está disposto a tê-la? E quantos desses empregados este trabalho como profissão? A maior parte dos que apanho seja onde for está a fazer um frete danado. Não sabe se serve pela esquerda ou direita. Mexe no dinheiro e na comida ao mesmo tempo...... Quantas vezes digo bom dia ou boa tarde e nem resposta tenho?

Rafael Santos disse...

Mais um blog para juntar aos que visito diariamente. Tive conhecimento só agora e através da TIMEOUT e já está na lista de seguimentos.

Espero com estas dicas tornar-me ainda um melhor cliente :)

Cumprimentos,

Rafael Santos
diariodotripulante.blogspot.com

c disse...

Há bocado ouvi referir este blog na Antena 1, onde leram este post.

Muito bom, quase me dava vontade de visitar o restaurante onde trabalhas.

;)

General GW disse...

Olá,
É de certo, admirável, a forma como colocas as passagens do teu dia-a-dia neste blog.
É verdade que os comportamentos variam de pessoa para pessoa e, na tua profissão qssim como em outra qquer de atendimento ao público, não damos, nós clientes, o devido valor a quem passa horas a servir-nos.

Uma boa semana para ti e já agora visita-meeeeeee

http://generalgw.blogspot.com/

Nuno disse...

Hoje de manhã sentei-me numa esplanada para beber um café. Não foi um descafeinado. Foi mesmo um café! E enquanto bebia o café lia a revista Domingo (acho que era a revista Domingo). Eis a razão pela qual vim aqui parar. :)

Eu gosto de ser simpático para os(as) empregados(as) de mesa. Sei que há clientes difíceis e que reclamam por tudo e por nada. Acho que essa gente deve ser daquele tipo de pessoas que não é rico, que não pode ter empregados e arma-se ao pingarelho quando vai a um café. Ora, se eu não tenho motivos para reclamar, por que raio hei-de ser antipático, não é? Além disso, nunca sabemos (nós, clientes) o que se passa nos "bastidores" dos cafés/restaurantes, não é verdade? :) Só não costumo perguntar os seus nomes...

Beijitos,
Nuno.

jonas disse...

Alo algumas coisas nao concordo mas cada um sabe de si tem seus motivos.tb já trab como empreg mesa vinham clientes malucos/as só tinha ter paciencia onde fica esse restaurante nao podes dizer nome agora fikei curioso em almoçar nesse restaurante fica com meu email se poderes dix alguma coisa.
Martinezigor10@gmail.com

esquilinho disse...

Oh Rui, desculpe lá, mas sim, uma miséria.

Diz que o ordenado médio em Portugal ronda os € 800. E eu digo-lhe que a maior parte dos empregados de mesa/balcão ganha muito menos que isso. E olhe que é trabalho duro. Experimente passar 8 ou 9 horas em pé, com as mãos na água, a suportar má-criação e a levar ininterruptamente com o fumo do tabaco dos outros (felizmente cada vez menos). Eu sei como é, já passei por isso. E digo-lhe que ganhava um terço do que ganho agora e chegava ao fim do dia muito mais cansada.

Agora, quanto a dar gorjeta ou não, como é óbvio ninguém o obriga a tal! Aliás, se sente que é mal atendido, não dê! Eu também nem sempre dou. Mas se sinto que fui atendida com atenção e cuidado, dou.

E está certo, há muito empregado de mesa que não tem formação. Tal como há muita gente noutras profissões que não a tem e que não quer ter, mesmo que o patrão lha ofereça. E tal como também há muita gente noutras profissões que estão ali "a fazer um frete". Mas é como lhe digo: se acha que foi mal atendido, não dê gorjeta.

Torpedo disse...

Psst ó menina, gorjetas? Por mim acabava com essa praga. Porque razão tenho que dar gorjeta? Dou por acaso gorjeta ao caixa do supermercado? Dou gorjeta ao funcionário da bomba de gasolina? Porque raio tenho que dar gorjeta ao empregado de mesa? Por causa das coisas actualmente tento sempre pagar com cartão, é que assim não há trocos.

PAULO disse...

amigo Torpedo no restaurante onde trabalho as pessoas como você são aplidadas de « peste suina » mas tudo bem tem de existir pessoas como o amigo senão este blog não existia, sem ofensa.

Anónimo disse...

Ao amigo torpedo e, provavelmente, aos amigos Croc Dundee e Rui e afins: eu também já trabalhei no ramo da restauração. Não tenham ideias erradas de que o serviço de atendimento ao público é fácil, que é só levar as coisas à mesa e levantar. Não, não, meus amigos! Hoje em dia atender público é uma verdadeira proeza. E, desculpem a franqueza, atender animais como vocês, salvo seja, é o que faz do ofício uma arte. Dizer que "sim, sim" quando o cliente reclama que tem um pingo de café na chávena de CAFÉ e depois vai-se embora e deixa a mesa toda borrada com o creme do bolo que estava no guardanapo que foi tão displicentemente deixado a enfeitar o tampo da mesa. Sem contar com as migalhas e, se tivermos sorte, as beatas que conseguiram encontrar o caminho para o exterior do cinzeiro.. Mistério!
Sem contar com as exigências descabidas, as enormes barbaridades e a estupidez por demais evidente que nos faz sinceramente ficar a pensar se o cliente não deveria ter uma consulta marcada no Júlio de Matos à qual, certamente, deveria estar a faltar. E tudo isto com um enorme sorriso na cara.. Se isto não é merecedor de uma mísera moeda de €0,50, não sei que mais será. Mas não se preocupem, caros amigos, que a atitude do "toma, agora pago com MB para não mamares gorjeta!!" não nos diz nada. Digamos só que, da próxima vez que se mostrar tão solícito, talvez demore mais uns minutinhos a ser atendido, mais uns minutinhos a receber o seu pedido, e quando receber a sua sobremesa será das mais atrasadas e o seu café com a maior quantidade de borras possível. Sempre com um enorme sorriso, claro...
E isto tudo pela módica quantia de €0.50!! Há coisas fantásticas, não há?!

Torpedo disse...

Caro Paulo, falou mas não explicou porque o empregado de mesa é diferente do caixa do supermercado. Se estão a contar com a gorjeta como parte do ordenado, estão errados. Não pagam impostos, não fazem descontos dessas gorjetas. Significa que as vossas contribuições para a Segurança Social são mais baixas, o que implica uma reforma mais baixa no futuro. Os empregados de mesa deviam ser os primeiros a não quererem receber gorjetas.

José Dias disse...

Óptimo texto! A parte de aparecerem 10 ou 5 minutos antes da hora de saída também me chateia imenso... e quando se tem a cozinha já toda limpa e arrumada... grrrrrrrrr....

Torpedo disse...

Ainda não tinha lido o post descabido desse Anónimo um pouco acima. Por tanto, em jeito de conclusão, o que o meu caro está a dizer, é que para fazer um bom trabalho (que não é mais do que a sua obrigação uma vez que recebe ordenado para isso) temos que dar gorjeta? O que deveria então fazer o funcionário da Câmara que faz a recolha do lixo? Espalhar-lhe o lixo à porta de casa porque ninguém lhe dá gorjeta? Combatam as gorjetas que vão ver que no futuro terão os vossos ordenados aumentados. O problema é que esta cultura da gorjeta faz com que o patrão pague ordenados a contar com isso. Vocês chama-lhe gorjeta, eu chamo-lhe esmola e eu não dou esmolas.

PAULO disse...

tropedo nao te esqueças da moina que deste ao tipo para te passar no exame de condução senão ainda nao tinhas a carta, esqueces rapido!!!!!

Anónimo disse...

pessoalmente acho as gorjetas importantíssimas. é a única forma que um cliente tem de avaliar directamente o empregado/a de mesa que o atendeu. não é uma questão de dar por dar, é uma questão de dar qdo é merecido, e dar bastante quando o serviço é extraordinariamente impecável. Acredito que desta forma os melhores empregados são recompensados... os outros pode ser que percebam que o melhor é procurar outra profissão.

thanx.

lânternamágica disse...

Ao caro amigo Torpedo!
Caríssimo, então veja bem: Se voce vai ao super atende-o a Senhora da caixa. Decerto, voce esta a comprar o seu jantar e não a se sentar para ser servido, decerto, qualquer um distingue um supermercado de um restaurante. Ou quer dizer que: o restaurante é igual ao supermercado?
É uma questão de prestigio, estatuto deixar gorjeta e de nobreza de quem o faz. Tudo tem uma história. O Cliente é o patrão do empregado. Há os elevados e os poucos elevados e ainda os que se indignam por nem serem uma e outra e depositam , (e essas são as suas gorjetas,) as suas frsutrações pessoais, o seu cargo que lhe lembra as obrigações a mais sem passar dali no pobre desgraçado que suporta arrogancias de petulantes que se julgam em doutores.
Como acho, a mim, é uma questão de nobreza: quem dá a gorjeta tem a coroa, quem não a dá, não a tem.
O dinheiro gera o dinheiro.
Pense nisso quando diz que a gorjeta leva muitos para o desemprego!?
Bom ja que lhe deram tantos Tomahawk não resisti em deixar o meu !

Marisa disse...

Este Torpedo nem merece mais comentários.. Enfim, é só cromos!Lolol

Valter Fernandes disse...

tens toda a razão.. talvez por ser patrão e, também, empregado muitos dos dias, na mesma àrea, sinto que mudei a minha atitude.. quando à uns anos uns amigos me diziam "não metas o lixo no cinzeiro! mete antes no pires" eu respondia, no alto da minha sabedoria "olha que diabo.. mas o cinzeiro É para colocar o lixo.." até que comecei a ter de os limpar.. e voltar a levar ao lugar.. etc etc.. não que alguma vez tivesse sido mal educado, nem nada que se pareça, mas passei também quase a ajudar os empregados de outros estabelecimentos.. o típico "deixe tar que eu limpo", o "eu levo aí a chavena", o, como dizes, chegar para trás para me servirem o prato, passaram a ser constantes nas minhas idas a cafés/restaurantes..

yohanan disse...

eu se apanhasse o sr torpedo como cliente de certeza ia levar com um frasquinho laxante na comida....

Anónimo disse...

Por norma não deixo gorgeta a ninguém. Sou professora e no fim das aulas não espero que os alunos que gostaram do serviço que prestei me paguem uma gorgeta. Acho que devemos respeitar o outro seja ele quem for e não usar estes foruns para resvalar para a má educação. Penso que o senhor Torpedo tem razão e do que li os outros posts não são nada agradáveis para estarem aqui.

maria amélia disse...

Então Sra. professora? É gorjeta e não gorgeta, vai ver que é por isso que os alunos não lhe deixam nenhuma. Ai, ai.

Anónimo disse...

Tem razão Maria Amélia o erro é a coisa mais horrível que um professor pode cometer. Mesmo assim sou contra as gorjetas!!!

Andreia disse...

LOL gostei especialmente do erro da senhora professora e do comentário em jeito de resposta da Maria AMélia...bom este blogue está na minha mira. Como empregada de mesa não concordo com as gorjetas quando fui atendida de uma forma que não gostei.
Esse torpedão que é da opinião que a gorjeta é muito má para o sistema, e que é ridiculo deixar gorjeta aos empregados de mesa seja mal ou bem atendido, não sabe a miséria que nós ganhamos e a estupidez que temos de aturar de certa gente que tem a mania que é rica mas não tem onde cair morto, e concerteza não sabe também que um empregado de mesa só tem como obrigação ser educado,trazer o que lhe pediram e não extra simpático e oferecer coisas de vez em quando, arranjar um sitio improvisado que não existe no restaurante para trocarem as fraldas do filho que acabou de se cagar todo, também não tem obrigação de ouvir "se tiver muito fresca não quero" e ouvir o empregado dizer "posso trazer-lhe natural e umas pedras de gelo à parte e o senhor deita o que quiser no copo", nem tem obrigação de ir a correr atras dele por causa de uma carteira esquecida ou de outra coisa qualquer...que de resto ficará "no esquecimento eterno" se a pessoa que dela se esqueceu não merecer atenções extra...lembrem-se sempre: nós somos muitas vezes pagos mal e porcamente por 50 a 60 horas semanais de trabalho (500 eur por mês ao contrário dos 800 médios que alguém disse pra'í) que nunca deveriam exceder as 7 diárias para se ter direito a apenas um dia de folga.Trabalhamos quando toda a gente ta de folga, de férias, de fim de semana... não há fins de semana pa ninguém...temos de aturar as bebedeiras "de quem quer que seja" até 3 horas depois da hora normal de fechar...vocês que trabalham seja lá onde for, façam lá o que fizerem, professores, engenheiros, doutores... imaginem-se a limpar merda dos outros todos os dias, a trabalhar 8/10h por dia, aturar clientes estúpidos que nos fazem andar 2km só por causa de nao pedirem tudo ao mesmo tempo, a ganhar 500 euros por mês e depois venham pra'qui dizer "ah...eu cá não deixo gorjeta a ninguém"...ressábiados, é o que vocês sao.
Não fariam este trabalho mais de uma semana...até choravam de medo.

HF disse...

sou empregada de mesa e quanto as gorjetas penso o seguite: todos recebemos gorjetas só que de maneira diferente, no caso da senhora professora não será uma gorjeta cada vez que um aluno seu tem uma boa nota, ou que anos mais tarde quando a encontra na rua e diz foi graças a sim que hoje sei falar bem ingles, axo que este pode ser um tipo de gorjeta ou estou enganada???

JPS disse...

Eu penso q isto seria facilmente resolvido,acabando com as gorjetas. Claro q para isso, o ordenado teria de ser aumentado, ou msm estabelecer o msm regime q s utiliza noutros países, em q a gorjeta já está incluida no preço final.

Agora,nem concordo q o cliente é o patrão do empregado, nem q a gorjeta serve para avaliar o empregado. Isso só está a servir de desculpa para receber gorjetas. A avaliação do funcionário,tem de ser feita pelo chefe\gerente.

É assim q funciona na maior parte dos locais de trabalho, bem como na maior parte dos trabalhos, mesmo que seja atendimento e serviço ao público,não se recebe gorjeta.

São empregados de mesa,é um trabalho que merece o respeito que qualquer outro merece.Não é mais um empregado de mesa,do que uma empregada doméstica, nem msm do q um ministro, ou um actor. Nós é que rebaixamos certas profissões e elevamos outras.

Parabéns pelo blog,pelo livro,e por todo o sucesso q ainda venha a ter