sábado, 31 de julho de 2010

o que é que vai ser, hã ó imbecil?

eu sou uma miúda simples: visto calças de ganga rotas, vou de havaianas para todo o lado e gosto de comer em tascos. gosto de coisas simples e poucas formalidades. mas odeio, odeio mesmo, que pessoas que nunca me viram antes me digam . especialmente quando estou a trabalhar.
quando eu pergunto a um cliente se gostou do prato não gosto que ele se vire para mim e diga: hã?! ou quando eu pergunto ao cliente se vai querer sobremesa irrita-me que ele olhe para mim e diga: hã?. às vezes nem é o hã, é o tom. mas é uma implicação minha. não gosto de hãs. gosto de desculpe. gosto de diga. gosto de não percebi.
e quem me diz hã normalmente sai a perder. como aquele senhor que fazia anos e levou os amigos a jantar. fui ter com ele quando acabou e perguntei-lhe se lhe podia oferecer um digestivo. ao que ele respondeu: hãã?! - então? hã?! e era de graça meu. perguntei se queria mais alguma coisa.- respondi. ele pediu um beirão e um café. conclusão: o hã ficou-lhe por 4 euritos.
às vezes também há pessoas mal-humoradas que são malcriadas sem necessidade nenhuma. como aquele que entrou no restaurante com a mulher. mesa para dois?- perguntei. não, p'ra 25.- respondeu ele com aquele tom de voz conhecido como o tom mete nojo. se eu dissesse tudo o que me vem à cabeça- o que seria lindo de se ver- naquela altura teria perguntado àquele senhor que mal é que eu lhe tinha feito. é que apesar de me estar a ver pela primeira vez respondeu-me como quem responde à esposa ao fim de 26 anos de casamento. e isso não se faz.
confesso que antes de trabalhar em restauração não imaginava que houvesse no mundo, ou pelo menos em lisboa, tantas pessoas com falta de maneiras. pessoas que tratam as outras mal gratuitamente, no primeiro contacto. pessoas idiotas, basicamente.
um exemplo de pessoas que nunca ficam satisfeitas com aquilo que lhes é dito de boa vontade: um zé pediu-me uma sobremesa. ora, quando me pedem alguma coisa que demora mais tempo que o normal tenho sempre o cuidado de avisar. mas, às vezes, até por isso sou maltratada. é do conhecimento geral- ou não- que um coulant, vulgo petit gateau, demora algum tempo a fazer. se for ao forno, porque também há aqueles do pingo doce que uma gaja mete no microondas e em 20 segundos 'tá feito. o nosso não é desses. precisamente por isso avisei o senhor e a sua família que a sobremesa demora cerca de 15 minutos a sair porque é caseira e tem de ir ao forno. ao que ele, incomodado, respondeu: olhe menina, quem pedeee um petit gateau, sabeee o que é um petit gateau. não me está a ensinar nada que aqui não há ignorantes.
ai não? podia jurar que sim.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

e o sporting ganhou.

foi no dia do sporting com um tal de celtic. atendi 6 jovens senhores escoceses. muito simpáticos. tão simpáticos que cada um me deixou 10 euros.

por isso parabéns à bé que acertou em cheio nos 60 euros. e ao rui com 55. à suzzana com 65. e à paloma com o primeiro de muitos 50.

deixem as vossas moradas ok?

e obrigada a todos que passaram ontem pela fnac.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

pssht...ó menina - o livro antes do dvd.


meus amigos então é assim: vou oferecer de bandeja uns livritos. 4 livritos. basta que sejam os sortudos a ficar mais perto da resposta à interessante questão:
qual foi a melhor gorjeta que eu já recebi?
e sim. a resposta é em euros.
têm até 4ªf, dia 28.


terça-feira, 13 de julho de 2010

o homem serve, a obra nasce.

perguntava-me um amigo meu no outro dia: e desde quando é que uma empregada de mesa escreve livros? epá não sei...mas o meu 'tá feito. e é para vocês. desejam mais alguma coisa?




lançamento do livro pssht... ó menina! as aventuras de uma empregada de mesa, dia 28 de Julho, às 18h30, na fnac do vasco da gama. a apresentação do livro será feita pelo jornalista Carlos Pinto Coelho e contará com a presença do chef Ljubomir Stanisic.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

deixei de ser empregada de mesa.

mas só por 15 dias. vou ao algarve ver como vai o serviço de mesa por lá. e já agora aproveito e passo pela praia só para ver como é que aquilo anda. nada de especial, aposto.