sábado, 2 de abril de 2011

mas o homer simpson existe mesmo que eu sei.

ao longo do tempo o homem parece ter encontrado uma explicação para todos os gestos. se cruzamos os braços estamos na defensiva. se esfregamos os olhos temos dúvidas. se tocamos no nariz estamos a mentir. se nos balançamos para trás e para a frente estamos doidos. nos restaurantes também existem gestos dos clientes que nós, empregados de mesa, já tomamos como certos: se fecham o menu já escolheram, se olham fixamente para nós querem pedir alguma coisa, se levantam o copo da imperial vazio é porque querem outra. mas, às vezes, as pessoas enganam. era sexta-feira à noite e o restaurante estava cheio. a abarrotar. sala, cozinha, estava tudo no lodo. eu tomava conta de 8 mesas. 39 pessoas. chegou uma velhinha. sozinha, muito simpática. sentou-se numa das minhas mesa e eu, que sofro deste problema patológico de sentir pena de todas as pessoas que se sentam para comer sozinhas, tentei dar-lhe toda a atenção do mundo. ao lado dela estavam duas raparigas a beber sangria, à espera dos pratos. a velhinha de menu na mão olhava fixamente para mim. ou seja? quer pedir alguma coisa. muito bem. fui ao pé dela saber então o que queria pedir. ela, atrapalhada, respondeu rapidamente que não sabia ler. oh que triste. expliquei-lhe o menu. enquanto isso, as meninas do lado levantaram-se para irem ao wc- juntas,claro. pedi à avózinha um minuto: levantei pratos, corri para a copa, fui ao bar, limpei mesas. e de repente um grito. um grito que fez calar as 130 vozes que se ouviam e que abafou o bonito strangers in the night do sinatra: roubaram a minha mala! epá tu queres ver, já f*%ram a velha! corri até lá e só passado uns minutos é que percebi tudo: ai espera lá, então a velha é que nos f#%eu a nós?! isso mesmo: as meninas da sangria foram fazer o chichi e ficaram sem mala. eu não me apercebi de nada. e foi assim que eu deixei de acreditar nessa treta dos sinais. e criei uns novos: 1. quando um cliente olha fixamente para mim significa que quer pedir alguma coisa? não. está só à coca para ver quando é que o caminho está livre. 2. quando uma velhota vai jantar sem companhia numa sexta-feira às 10 da noite é porque se sente sozinha e eu devo ter pena dela? não, é porque pertence a um gang e está a preparar um arrastão. 3. quando uma avózinha diz que não sabe ler e tem uns óculos na ponta do nariz daqueles que as pessoas usam para ler é porque me está a fazer de parva e eu não percebo porque acredito nos velhos e que o jorge palma já não bebe e que o homer simpson existe mesmo e porque sou muito boa pessoa? sim, é isso mesmo. aí está. mas depois penso: e se a velha manhosa afinal tinha era alzheimer e pegou na mala porque pensava que era dela e foi-se embora porque pensava que já tinha comido? rebuscado? provavelmente. e é por estas e por outras que a mim já ninguém me engana. e os senhores escusam de se pôr a abanar no ar os copos de imperial vazios que eu agora já sei que isso não passa de uma manobra de diversão para a respectiva esposa roubar o saleiro. é para que saibam.

8 comentários:

Panda disse...

As apalÊncias arudem...

v_crazy_girl disse...

:O

Bem, já não volto a confiar nas velhinhas que vir!!

OMG xD

Close up! disse...

Ah,ah,ah!!
Coitada de ti!!

Angelo disse...

Já não se pode confiar em ninguém!

S-libris disse...

AHAHAH
já não se pode confiar em ninguém. É oficial, este mundo está perdido.

Gostei do blog, estou a seguir :P

Filipe disse...

Fantástico. Excelente post. Adoro o teu humor.

bigstroke disse...

Humor não ! eu direi realidades do dia a dia eu sei estórias de velhinhas frequentadoras de health club que depois do banho foram apanhadas a roubar perfumes num hipermercado!

Anónimo disse...

Lindo. Ele há velhas assim